Mark Ruffalo: Ator e Ativista






Fotos de Matthias Clamer para o observer.com

Ótima a matéria de Thelma Adams sobre Mark Ruffalo e sua carreira, no observer.com. Mark comenta sobre a profissão, seus medos, suas coragens e suas inspirações. Eu traduzi alguns trechos...

A repórter exalta a modéstia de Mark e o quanto ele foi cuidadoso com a mãe e a atriz mirim Imogene Wolodarsky, reservando para elas bons assentos, para  acompanhar com ele uma das apresentações do filme "Infinitely Polar Bear".

Na ocasião, o co-presidente da Sony Pictures Classics, Michael Baker, comentou que este é, de fato, o "ano de Mark Ruffalo". Continuou, dizendo: "Desde 'Conte Comigo', 'This Is Our Youth', interpretando o Hulk, até este filme, ele é um ator que traz diversidade e honestidade ao seu trabalho.

"Ele é um daqueles raros atores que fazem você querer ver um filme só porque ele está nele", diz Claudia Puig, crítica de cinema da  USA Today e National Public Radio.

Segundo a repórter Thelma Adams, a modéstia de Mark é encantadora, mas talvez equivocada, pois há 15 anos, desde "Conte Comigo", Mark tem feito sucesso. Ele recebeu duas indicações ao Oscar de Melhor Ator Coadjuvante pelo papel de um charmoso doador de esperma em "Minhas Mães e Meu Pai" e  pelo lutador Dave Schultz em "Foxcatcher". Em seguida, recebeu um Emmy por ter produzido "The Normal Heart". E lembrou ainda o importante papel de Bruce Baner/Hulk na icônica franquia "Avengers".

Maya Forbes, a escritora e diretora do filme da Sony Pictures Classics, que lançou Mark como um pai amoroso, mas emocionalmente instável, como era seu próprio pai (e lançou sua  filha Imogene como ela mesma mais jovem), conta esta história: "No primeiro dia Mark veio aos ensaios em Providence, Rhode Island, carregando uma panela de sopa de gengibre vegetal com açafrão que ele mesmo tinha feito. Ele é um cuidador. Ele adora cozinhar. Ele ama o ambiente doméstico e gosta de ser um pai. Ele abraça esse papel. Eu me liguei a isso. Meu pai gostava de cuidar das pessoas." 

Mas Cameron, de "Infinitely Polar Bear" é bipolar, frequentemente despreza os remédios, é incapaz de manter um emprego, e é uma verdadeira montanha russa emocional. Ele se auto-medica com álcool, deixa as duas filhas sozinhas no apartamento, fuma... "Sim, mas em seguida" - Mr. Ruffalo explica, não dando desculpas mas constatando um fato - "ele continua voltando".

Não foi o assunto da doença mental que chamou Mr. Ruffalo para o script, mas a chance de entrar na pele de mais uma família incomum...

Ele observa: "Eu continuo me encontrando nesses filmes. Paternidade, famílias, eu amo famílias. Quer dizer, eu os amo e eu os odeio. E eu preciso trabalhar com isso. Então, eu continuo me encontrando ali com essas famílias que são disfuncionais. Bem, eles não são disfuncionais. Eles são perfeitamente funcionais. Eles são, na verdade, exatamente como qualquer outra família no mundo. São todas as nossas famílias disfuncionais ou é talvez apenas a regra?" 

Mr. Ruffalo escolhe um lado: "Todo mundo tem uma família louca." [...] quando eu li o script eu disse: "Eu tenho que fazer este filme".

"As pessoas têm tanto medo de doença mental, mas está em todo lugar", continua o ator, confessando que ele pessoalmente sofre de depressão crônica. "É distimia. É uma longa corrida, depressão de baixo grau o tempo todo. Eu estive lutando com isso toda a minha vida. É como uma depressão de baixo grau que apenas está em execução o tempo todo bem lá no fundo."

Quando Mark Ruffalo tinha 8 anos, sua avó deixou que ele assistisse a estreia televisiva de "A Streetcar Named Desire" (Uma Rua Chamada Pecado). O filme mudou sua vida. "Isso me fez querer ser um ator... o magnetismo de [Marlon] Brando, a coragem e a vulnerabilidade. Sua presença bruta ligeiramente efeminada, equilibrada. Foi mais real, mais honesta. E eu acho que impulsionou meu olhar sobre as coisas que parecem honestas para mim, que realmente refletem a vida, que são as coisas que me deixam ligado sobre filmes."

"Marlon Brando", diz Ruffalo, tirando o boné de beisebol, arrumando os cachos e repondo o chapéu mais firmemente em sua cabeça", e Marcello Mastroianni. Oh, Marcello, encontrei-o mais tarde. Mas eu amo Brando. Ele é o homem comum. Ele pode ser bonito às vezes e às vezes repulsivo. Um monstro. E ele também pode ser o mais generoso ou engraçado ou em movimento, ou totalmente sentimental. Para mim ele quebrou o padrão de astro de cinema machão".

Sobre o Hulk...

Mr. Ruffalo mergulha profundamente na psicologia da Banner, a fim de humanizar o Hulk. "O que o faz diferente?" Mark pergunta. "E, para mim, foi virar para encarar o Hulk. Estou em meus anos 40 agora. E nesta fase você realmente tem uma noção de quem você é. Você conhece seus pontos fracos, seus pontos fortes e seus demônios. E finalmente percebe que não pode correr para longe deles, porque eles estão sempre lá. Então, um Banner que estava pronto para virar e enfrentar o Hulk e realmente começar a internalizá-lo, fazer as pazes com ele e perceber que o incrível poder do Hulk, pode ser eventualmente usado de uma forma  construtiva. A raiva é realmente uma emoção poderosa que muitas pessoas temem, mas pode ser uma ferramenta incrivelmente poderosa."

E é essa viagem de frente para si mesmo no espelho de seus filmes, aceitando a raiva como uma maneira de mudar o status quo e a ruptura de suas limitações, que também definiu uma atividade paralela na vida de Mark Ruffalo. Essa raiva mobilizou-o como um destemido ativista ambiental.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito legal ter você aqui no nosso "News"!
Quer deixar um recadinho, comentário, sugestão?
Fique a vontade! Mas, seja gentil, ok!
Mensagens ofensivas não serão publicadas.
Bjs da Cris!